Acompanhe ao vivo a sua rádio

Carnaval Plumas e Penas - 25.02.2019

É tempo dos desfiles das escolas de samba. Poucos se questionam sobre a origem de tantas plumas e penas que adornam os corpos das musas dos desfiles. Segundo informações do site ANDA, as escolas ainda não abrem mão destes adereços, símbolos do carnaval.

Ao que parece, as alas comuns já usam penas e plumas artificiais. O problema está nas rainhas e madrinha de bateria, que precisam de fantasias mais luxuosas, glamorosas. Infelizmente, como elas saem na mídia, buscam os materiais mais nobres, de origem animal, como o faisão ou o avestruz. Os avestruzes, por exemplo, são mantidos em confinamento e vivem aproximadamente 40 anos, durante os quais têm uma retirada anual das plumas.

Os maiores produtores de acessórios de penas são a Hungria, a China e a Polônia, e todas as três utilizam o processo de colheita em animais vivos. 80% da penugem e das penas do mundo vem da China.

Os responsáveis pelos adereços luxuosos dizem que as penas caem naturalmente e são recolhidas durante todo o ano. Não é nada disso! Eles arrancam as penas com um método conhecido como “zíper” em que as aves são levantadas pelo pescoço, as pernas amarradas e então as suas penas são arrancadas manualmente e a seco. Este processo provoca dor, sofrimento e as deixa expostas ao sol e a infecções graves. A luta dos animais durante este processo chega a provocar fraturas.  É muito triste   que as penas destas aves sejam uma verdadeira “mina de ouro”: uma única pena de faisão, por exemplo, pode chegar a custar R$ 100.

(Fonte:diariodebiologia.com)

 

Contatos

Telefone: 41 3086.0957

Email: ouvinte@95fmcuritiba.com.br

Redes sociais